Resultados consolidados do ano e do quarto trimestre de 2019

Transformação em progresso

DESTAQUES DO ANO DE 2019

  • Pedidos de US$ 28,6 bilhões, estáveis; comparável + 1%
  • Receita de US$ 28 bilhões; comparável + 1%
  • Margem operacional do EBITA de 11,1%, impactada por 130 pontos base combinados devido a custos ociosos e atividades não essenciais
  • Receita de operações de US$ 1.938 milhão, -13%
  • Lucro líquido de US$ 1.439 milhão, -34%
  • LPA básico de US$ 0,67, -34%; LPA1 operacional de US$ 1,24, -7%
  • Fluxo de caixa das atividades operacionais de US$ 2.325 milhões, -20%, incluindo saídas de caixa para programa de simplificação e desinvestimento do negócio Power Grids
  • Dividendo proposto de CHF 0,80 por ação

DESTAQUES DO QUARTO TRIMESTRE DE 2019

  • Pedidos de US$ 6,9 bilhões; comparável + 1%
  • Receita de US$ 7,1 bilhões; -2% comparável
  • Margem EBITA operacional de 10,1%, impactada por 170 pontos base combinados devido a custos ociosos e atividades não essenciais
  • Renda das operações: US$ 648 milhões, + 136%
  • Fluxo de caixa das atividades operacionais de US$ 1.911 milhão, + 2%, incluindo saídas de caixa para programa de simplificação e desinvestimento do negócio Power Grids

NOVA LIDERANÇA

  • Bjӧrn Rosengren nomeado CEO, a partir de 1º de março de 2020

“A ABB apresentou um desempenho resiliente em 2019, diante das condições desafiadoras do mercado e de uma transformação significativa. Nossas receitas e margem operacional melhoraram ligeiramente. O desinvestimento do negócio Power Grids está no caminho certo e estamos claramente começando a ver os efeitos positivos da implementação de nosso novo modelo operacional e de nossa nova cultura”, disse Peter Voser, Chairman e CEO da ABB. “De acordo com nossa política de dividendos, estamos propondo um dividendo de CHF 0,80 por ação. Estamos comprometidos em fornecer retornos atraentes para os acionistas, aprimorados ainda mais pelo início de recompras de ações usando os recursos líquidos em dinheiro da transação Power Grids ainda este ano.”

Perspectivas de curto prazo

Os indicadores macroeconômicos sugerem um crescimento mais fraco na Europa e nos EUA, enquanto a tendência de estabilização da China pode ser afetada pelo surto de coronavírus. A economia global permanece afetada por incertezas geopolíticas, e espera-se, em geral, manter uma tendência de crescimento semelhante a 2019.

Os mercados finais em que a ABB atua demonstram resiliência, com desafios em alguns mercados, particularmente nos setores automotivo, de fabricantes de máquinas e de geração de energia convencional. Espera-se que os efeitos da conversão de câmbio continuem influenciando os resultados da empresa.

Resultados do grupo no consolidado de 2019

“Fizemos um bom progresso em 2019, reduzindo gradualmente os custos ocultos como parte do processo de distribuição do negócio Power Grids, trabalhando constantemente com questões não essenciais e outros aspectos herdados que entravem o desempenho do grupo, e obtendo economia com nosso programa de simplificação ABB-OS ”, disse Timo Ihamuotila, CFO da ABB.

“No futuro, manteremos esse curso, impulsionando um crescimento lucrativo ante a contração em alguns mercados, enquanto trabalhamos para melhorar as margens operacionais e manter nosso histórico de sólida geração de caixa.”

Resumo dos resultados do ano de 2019

A ABB apresentou um desempenho resiliente durante o ano, enquanto realizava uma transformação muito extensa, melhorando levemente as receitas e as margens operacionais, em comparação com os mercados mais desafiadores.

Os pedidos subiram 1% (em dólares americanos) em US$ 28.588 milhões, com crescimento moderado de 4% no negócio Motion, 4% no negócio Electrification e um resultado constante no negócio Industrial Automation, atenuado por um declínio de 11% nos pedidos do negócio Robotics & Discrete Automation. Os desenvolvimentos de pedidos refletem o abrandamento do crescimento econômico global e dificuldades substanciais em mercados distintos, particularmente fabricantes de automóveis e máquinas. Os pedidos subiram 2% na Europa, 1% nas Américas e declinaram 1% na AMEA. As ordens de serviço foram 2% maiores (1% em dólares americanos) e 20% do total de pedidos, em comparação com 19% em 2018.

As receitas aumentaram 1% (1% em dólares americanos) para US$ 27.978 milhões, suportadas pela execução de pedidos em atraso. As receitas cresceram em Motion e Electrification em 4% e 2%, respectivamente; foram estáveis em Industrial Automation e 4% menores em Robotics & Discrete Automation. Em termos regionais, as receitas na Europa aumentaram 4%, e 2% nas Américas, enquanto a AMEA foi 3% menor. As receitas de serviços aumentaram 3% (2% em dólares americanos), representando 19% das receitas do grupo. A relação book-to-bill ficou em 1,02x1 em 2019, em comparação com 1,03x no ano anterior.

A margem operacional EBITA de 11,1% aumentou 20 pontos base. As margens foram apoiadas pela expansão da margem nos negócios de Motion, uma melhoria de US$ 146 milhões nos resultados para negócios não essenciais e alienados, a eliminação de US$ 72 milhões em custos ociosos no período que antecedeu a venda de Power Grids e a economia do programa de simplificação ABB-OS. As margens foram atenuadas pelo impacto do ano inteiro da aquisição da GEIS no negócio Electrification, margens mais baixas em Industrial Automation, que também foram impactadas por uma reavaliação de um projeto específico registrado no terceiro trimestre e margens mais baixas em Robotics & Discrete Automation, que foram impactados por um cenário mais desafiador nos mercados finais.

A receita da ABB em operações de US$ 1.938 milhão, que foi 13% menor em relação ao ano anterior, também foi impactada pela reestruturação, custos e encargos de transação e separação relacionados a Power Grids, além de encargos da venda planejada do negócio de inversores solares. Esses impactos foram um pouco mitigados por ganhos não operacionais das vendas de negócios e um ajuste no preço de compra da GEIS.

O lucro líquido das operações descontinuadas foi de US$ 438 milhões. A ABB antecipa uma melhora significativa no desempenho de suas operações descontinuadas a partir do primeiro trimestre em diante.

O lucro líquido atribuível à ABB de US $ 1.439 milhão e o lucro por ação básico de US$ 0,67 foram 34% menores em comparação com o período do ano anterior. A taxa efetiva de imposto do grupo de 41,5% reflete os efeitos tributários da venda planejada dos negócios de inversores solares e das operações de Power Grids.

O LPA operacional do ano inteiro foi de US$ 1,241, 7% a menos em moeda constante.

O fluxo de caixa das atividades operacionais de US$ 2.325 milhões no ano foi 20% menor em relação ao ano anterior.

O fluxo de caixa fornecido pelas atividades operacionais das operações contínuas de US $ 1.899 milhão foi sólido e incluiu custos de caixa relacionados ao programa de simplificação ABB-OS, bem como custos de transação e separação relacionados a Power Grids de mais de US$ 200 milhões. O capital de giro líquido foi de 9,5% da receita, comparado a 9% no final de 2018. Contas a receber favoráveis, assim como estoques mais baixos e saídas de impostos sobre caixa foram parcialmente compensadas por menos entrada de caixa de contas a pagar comerciais. O gasto de capital para as operações contínuas do grupo foi de US$ 762 milhões, em comparação com US$ 772 milhões em 2018.

O fluxo de caixa das atividades operacionais em operações descontinuadas foi de US$ 426 milhões. As despesas de capital para operações descontinuadas totalizaram US$ 167 milhões, contra US$ 201 milhões em 2018.

Dividendos

O conselho da ABB propôs um dividendo ordinário de 0,80 francos suíços por ação para 2019, sujeito à aprovação dos acionistas na assembléia geral anual da empresa em 26 de março de 2020. A proposta está alinhada à política de dividendos da ABB de pagar um dividendo crescente e sustentável ao longo do tempo.

Resultados do quarto trimestre de 2019

Sumário

No trimestre, os negócios enfrentaram lentidão na demanda industrial de ciclo curto, principalmente nos EUA, e dificuldades no mercado em setores distintos, o que prejudicou o desempenho de primeira linha e as margens operacionais, principalmente em Robotics & Discrete Automation. No grupo, as margens operacionais foram suportadas por menores custos corporativos e outros, devido a menores encargos não essenciais, eliminação de custos ociosos e economia com o programa de simplificação ABB-OS.

Pedidos

Os pedidos cresceram 1% (1% a menos em dólares americanos) no trimestre em comparação com o período do ano anterior. O crescimento moderado em Electrification de 3% e o sólido crescimento em Industrial Automation e Motion, ambos com alta de 5%, compensaram os resultados de Robotics & Discrete Automation, cujos pedidos caíram 18%. Os efeitos da conversão cambial tiveram um impacto negativo líquido de 1%, e o portfólio um impacto negativo líquido de 1%.

As ordens de serviço, que representaram 21% do total de pedidos, foram 2% maiores (estáveis em dólares americanos) em uma base ano a ano.

A carteira de pedidos aumentou 5% (2% em dólares americanos).

Visão geral do Mercado

Regionalmente:

  • Os pedidos na Europa foram 16% maiores (12% em dólares americanos), com desempenho misto no nível nacional. A Suíça e a Alemanha registraram um excelente crescimento de pedidos, impulsionado por grandes pedidos, e boa demanda também ficou evidente na Suécia e na Finlândia, enquanto os pedidos na Itália, Noruega e Holanda diminuíram quando comparados ao período do ano anterior. Na Alemanha, os pedidos foram 37% mais altos (32% em dólares americanos).
  • Os pedidos nas Américas foram 8% menores (8% em dólares americanos), contra um período comparável difícil. Os pedidos foram robustos no Canadá, mas fracos nos EUA e no México e em vários países da América do Sul. Os pedidos nos Estados Unidos foram 7% menores (7% em dólares americanos), refletindo uma desaceleração da economia.
  • Na Ásia, Oriente Médio e África (AMEA), os pedidos foram 5% menores (9% menores em dólares americanos). O crescimento de pedidos foi forte na Coréia do Sul e Cingapura e robusto na China, mas mais fraco em mercados como Índia, Japão e Austrália. Na China, os pedidos subiram 1% (2% mais baixos em dólares americanos).

Nos principais segmentos de clientes da ABB:

  • Nas indústrias de processo, as decisões de investimento em projetos maiores de petróleo, gás e mineração permanecem cautelosas. Os mercados convencionais de geração de energia foram desafiadores. Outras indústrias de processo, incluindo papel e celulose e alimentos e bebidas, continuam a apoiar a demanda.
  • O setor automotivo tradicional e correlatos, bem como os mercados de fabricantes de máquinas, enfrentaram pressões contínuas que impactaram o crescimento da ABB. A ABB continuou a observar um forte crescimento na automação de armazéns. Os investimentos em 3C, conduzidos por semicondutores, começaram a aumentar no fim do trimestre.
  • Nos setores de transporte e infraestrutura, os investimentos em energia eólica e ferroviária continuam fortes, principalmente na Europa. Um bom crescimento de pedidos continuou para embarcações especializadas, carregamento de EV e infraestrutura de data center, bem como na distribuição de energia. A atividade de construção permanece mista.

Receitas

A receita foi 2% menor (4% menor em dólares americanos) ano a ano. As receitas de Electrification e Motion foram constantes. As receitas em Industrial Automation foram 1% menores, em Robotics & Discrete Automation foram 10% menores, refletindo o impacto de um ambiente desafiador na geração de energia convencional e em setores distintos, principalmente fabricantes de automóveis e máquinas. Os efeitos da conversão cambial tiveram um impacto negativo líquido de 1% e o portfólio um impacto negativo líquido de 1%.

As receitas de serviços diminuíram 1% (2% em dólares americanos). Os serviços representaram 21% da receita total.

O book-to-bill no trimestre foi de 0,97x, comparado a 0,94x no mesmo período do ano anterior.

Em um cenário de fraqueza contínua em alguns mercados finais, a ABB espera que as receitas sejam constantes ou ligeiramente superiores em uma base comparável para todo o ano de 2020, sem incluir possíveis impactos do surto de coronavírus.

EBITA operacional e receita operacional

O EBITA operacional de US$ 710 milhões foi 22% maior em dólares americanos (24% em moedas locais). A margem operacional do EBITA de 10,1% expandiu 220 pontos-base na relação anterior, impulsionada principalmente por tarifas mais baixas para atividades não essenciais e custos ociosos mais baixos no resultado corporativo e outros EBITA operacional. Os resultados dos negócios não essenciais tiveram um impacto de 110 pontos na margem em US$ 79 milhões. Os custos ociosos impactaram uma margem em aproximadamente 60 pontos base, com um custo de US$ 40 milhões em comparação com US$ 72 milhões no quarto trimestre de 2018.

A ABB espera que sua margem operacional anual EBITA mostre melhorias em 2020, ponderada para o segundo semestre, auxiliada por margens aprimoradas no negócio Electrification, redução da grande maioria dos custos ociosos e benefícios econômicos do programa de simplificação ABB-OS.

A receita operacional de US$ 648 milhões aumentou 136%. O resultado se beneficiou de um ganho não operacional combinado de US$ 178 milhões devido à venda da participação da ABB em duas joint ventures chinesas, um ajuste no preço pago pelo GEIS e uma redução na perda do desinvestimento planejado do negócio de inversores solares.

Lucro líquido, lucro básico e operacional por ação

O lucro líquido das operações contínuas foi de US$ 307 milhões, 46% superior ao ano anterior.

O lucro líquido das operações descontinuadas foi de US$ 50 milhões, incluindo reestruturação, impostos e custos de transação relacionados.

O lucro líquido do grupo atribuível à ABB foi de US$ 325 milhões e o lucro por ação básico foi de US$ 0,15, 3% e 2% maior em relação ao ano anterior, respectivamente. A taxa tributária efetiva do grupo de 51% reflete efeitos tributários de aproximadamente US$ 150 milhões da separação das operações da Power Grids.

O LPA operacional de US$ 0,27 caiu 11% ano a ano em moeda constante.

Fluxo de caixa das atividades operacionais

O fluxo de caixa das atividades operacionais aumentou 2%, para US$ 1.911 milhão, em comparação com US$ 1.867 milhão no quarto trimestre de 2018. Em comparação ao período do ano anterior, o fluxo de caixa das atividades operacionais em operações contínuas foi ligeiramente melhorado, de US $ 1.406 milhão para US$ 1.454 milhão, enquanto o caixa o fluxo de operações descontinuadas foi de US$ 457 milhões em comparação com US$ 461 milhões no período anterior. Em relação a um ano atrás, o fluxo de caixa das atividades operacionais contínuas se beneficiou de uma redução significativa nos estoques, compensada em grande parte pelo momento menos favorável dos pagamentos de impostos sobre caixa.

A ABB espera que a entrega sólida de caixa para todo o ano de 2020 continue com as atividades operacionais, sem incluir saídas de caixa para o programa de simplificação e atividades de desinvestimento e impactos associados aos impostos.

Desempenho dos negócios no quarto trimestre

Electrification

Os pedidos subiram 3% (1% em dólares americanos). Os pedidos se beneficiaram da forte demanda por soluções nos setores de serviços públicos, data center e transporte elétrico. Em termos regionais, os pedidos cresceram na AMEA e na Europa, parcialmente compensados por um desempenho moderado das Américas. O crescimento de pedidos na China foi amplo. A carteira de pedidos aumentou 9% ano a ano (9% em dólares americanos). As receitas foram estáveis (2% mais baixas em dólares dos EUA), refletindo uma demanda mais fraca do ciclo curto. A margem operacional do EBITA expandiu 140 pontos base ano a ano para 13,1%, suportada pela integração do GEIS, a recuperação dos produtos de instalação e o gerenciamento contínuo de preços e custos.

Industrial Automation

Os pedidos cresceram 5% (4% em dólares americanos), apoiados por grandes pedidos de embarcações especializadas. A geração convencional de energia continua sendo desafiada. Os pedidos foram fortes na Europa, enquanto diminuíam nas regiões das Américas e AMEA, apesar do amplo crescimento na China. A carteira de pedidos aumentou 2% (2% em dólares americanos). A receita foi 1% menor (2% em dólares americanos), refletindo uma fraca contribuição das atividades convencionais de geração de energia. A margem operacional do EBITA de 12,1% foi 150 pontos base mais baixa. As margens foram impactadas por volume, mix de negócios desfavorável e execução operacional, além de investimentos em crescimento.

Motion

Os pedidos aumentaram 5% (4% em dólares americanos), liderados pelo crescimento das soluções de acionamento, especialmente para aplicações ferroviárias e eólicas. As encomendas foram fortes na Europa, enquanto as Américas e na AMEA foram mais lentas, parcialmente compensadas pelo crescimento na China. A carteira de pedidos aumentou 9% (8% em dólares americanos). A receita foi estável (1% menor em dólares dos EUA), refletindo uma base de comparação difícil. A margem operacional do EBITA expandiu 50 pontos-base em comparação com o período do ano anterior, atingindo 15,4%, apoiada por mix positivo e desempenho operacional.

Robotics & Discrete Automation

Os pedidos foram 18% mais baixos (19% em dólares americanos), refletindo uma base de comparação difícil e mercados desafiadores. Os desafios permanecem fortes para a robótica nas indústrias automotivas tradicionais e relacionadas ao setor automotivo, particularmente na China. A demanda dos fabricantes de máquinas permaneceu moderada, principalmente na Europa. A carteira de pedidos foi 5% menor (6% em dólares americanos). As receitas caíram 10 por cento (12 por cento em dólares dos EUA), impactadas por um menor book-to-bill. A margem operacional do EBITA de 11,0% ficou 210 pontos base abaixo do nível do ano anterior, refletindo volumes mais baixos e mix adverso, parcialmente mitigado por ações de custo corretivas.

Transformação em progresso

Os programas de transformação do grupo, a saber, o estabelecimento de um novo modelo de negócios que compreende quatro negócios, o desinvestimento de Power Grids e a implementação de um novo sistema operacional, o ABB-OS, avançaram bastante durante o ano.

Por volta do final do ano, a ABB havia implementado um novo modelo operacional. Isso incluiu o colapso de estruturas regionais e a transferência de estruturas de países e a grande maioria das atividades funcionais gerenciadas de forma centralizada nas quatro empresas, criando assim negócios mais focads no cliente e empoderados, e uma organização corporativa muito mais enxuta.

O desinvestimento de Power Grids está no caminho certo, com fechamento previsto para o final do segundo trimestre de 2020.

Durante o ano, as economias do programa de simplificação ABB-OS alcançaram a taxa de execução de US$ 150-200 milhões prevista para 2019. O número de operações contínuas da ABB foi de 113.900 no início do ano e 110.000 no final de 2019, refletindo também parcialmente a eliminação de custos ociosos. O objetivo da ABB é atingir aproximadamente US$ 500 milhões em reduções de custos anuais de taxa de execução em todo o grupo a partir do programa durante 2021. Agora, planos de melhoria contínua estão em vigor em cada negócio e totalmente integrados ao processo de planejamento anual para apoiar a entrega desse objetivo.

O gerenciamento ativo do portfólio da ABB continuou até 2019. É importante ressaltar que o negócio Electrification anunciou que deixará o negócio de inversores solares e adquirirá uma empresa líder de carregamento de veículos elétricos chinesa, a Chargedot, durante o primeiro trimestre de 2020. Além disso, a GEIS, adquirida em 2018, está agora totalmente integrada às linhas de negócios de Electrification e está planejando a entrega de sinergias de custos.

A ABB continuou a expandir seu ecossistema digital, anunciando várias parcerias importantes ao longo do ano, mais recentemente com a Ericsson para desenvolver em conjunto soluções de software para robôs e fábricas inteligentes usando recursos 5G. As parcerias ajudam a garantir que as soluções ABB Ability™ utilizem consistentemente os mais recentes desenvolvimentos de alta tecnologia, maximizando a proposta de valor das soluções digitais para nossos clientes.

Mais informações

Os slides do comunicado de imprensa e da apresentação dos resultados consolidados do ano e do quarto trimestre de 2019 estão disponíveis no ABB News Center em www.abb.com/news, e na página de Relações com Investidores em www.abb.com/investorrelations.

Links

Fale com a gente

Downloads

Compartilhe este artigo

Facebook LinkedIn Twitter WhatsApp