Resultados do terceiro trimestre de 2019

Manter a rota em mercados mais difíceis

  • Encomendas totais -1%, carteira de encomendas + 3%
  • Faturação e índice Book-to-bill consistentes
  • Margem de EBITA Operacional 11,7%, +20 pontos base; impactada 70 pontos base por custos de transição
  • Faturação de operações contínuas, líquida de impostos 422 milhões mil milhões, -1%
  • Lucro líquido de 515 milhões de dólares, -15%
  • Dividendo operacional por ação de 0.33 dólares, -7%
  • Cash flow operacional de 670 milhões de dólares, + 19% entrega sólida para o ano inteiro
  • Björn Rosengren nomeado CEO, efetivo a partir de 1 de março de 2020

"O Grupo, este trimestre, apresentou um desempenho robusto face às condições macroeconómicas mais desfavoráveis, afetando alguns dos mercados dos nossos clientes, sobretudo robótica e automação", disse Peter Voser, Presidente e CEO da ABB.

Acrescentando: “Estamos a manter o rumo e um crescimento a longo prazo, mantendo-nos firmemente focados na gestão de custos em resposta à diminuição da procura, enquanto avançamos com a agenda de transformação. Continuamos a impulsionar a estratégia, incutindo uma cultura de autonomia e alto desempenho. ”

Principais números

Variação

Variação

Em milhões de dólares salvo indicação contrária)

Q3
2019

Q3
2018

US$

Comparativo

9M
2019

9M
2018

US$

Comparativo

Encomendas

6,688

6,917

-3%

-1%

21,702

21,605

0%

+1%

Faturação

6,892

7,095

-3%

0%

20,910

20,267

+3%

+2%

Faturação das operações

577

617

-6%

1,290

1,951

-34%


EBITA operacional

806

814

-1%

0%

2,397

2,421

-1%

+3%

Em % de faturação operativa

11.7%

11.5%

+0.2pts

11.5%

11.9%

-0.4pts


Faturação de operações contínuas, líquidas de impostos

422

427

-1%

783

1,365

-43%


Lucro líquido atribuível à ABB

515

603

-15%

1,114

1,856

-40%


Lucro líquido por ação (USD)

0.24

0.28

-15%

0.52

0.87

-40%


Lucro operacional por ação (USD)

0.33

0.34

-3%

-7%

0.98

1.03

-6%

-5%

Cash flow operacional

670

565

+19%

414

1,057

-61%


Em 17 de dezembro de 2018, a ABB anunciou a venda acordada do negócio Power Grids. Consequentemente, os resultados do negócio Power Grids são apresentados como operações descontinuadas. Os resultados da empresa para todos os períodos foram ajustados de acordo.

Perspetiva a curto prazo

Os indicadores macroeconómicos são mistos na Europa e na China, enquanto enfraquecem nos EUA. Os mercados globais continuam a ser afetados pelas incertezas geopolíticas.

Comparado com os indicadores macroeconómicos os mercados finais em que a ABB opera revelam resiliência, com ventos contrários em alguns mercados. Prevê-se que os preços do petróleo e os efeitos da conversão cambial continuem a influenciar os resultados da empresa.

Resultados do terceiro trimestre de 2019

“O Grupo obteve um sólido resultado nos negócios Electrification e Motion, e conseguiu resistir a fortes ventos contrários na Robotics and Discrete Automation. Reconhecemos um impacto negativo da reavaliação de um grande projeto da Industrial Automation”, disse Timo Ihamuotila, CFO da ABB.

“Para o ano como um todo, continuamos a esperar um ligeiro crescimento da faturação e margens operacionais aprimoradas. Sentimo-nos encorajados ao constatar que a integração da GEIS e a implementação do modelo operacional ABB-OS começam a influenciar de forma positiva o desempenho do Grupo a longo prazo. ”

Resumo dos resultados do Grupo

Este trimestre, o negócio Industrial Automation levou a cabo uma reavaliação de um projeto específico, que reduziu a faturação total em 1%. A margem operacional do EBITA de 11,7% foi impactada por 190 pontos base combinados, incluindo aproximadamente 90 pontos base devido à reavaliação de um projeto em especifico na Industrial Automation, aproximadamente 70 pontos base por custos de transição e aproximadamente 30 pontos base de custos de projetos herdados não essenciais.

As operações contínuas refletem o desempenho resiliente dos negócios, apesar dos fortes ventos contrários no negócio Robotics & Discrete Automation. Comparado ao mesmo período do ano anterior, o resultado beneficiou de uma menor taxa de execução no EBITA operacional Corporate & Other, consistente com as economias proporcionadas pelo programa de simplificação, eliminação contínua de custos de transição e melhoria nos negócios não essenciais.

Além disso, o lucro líquido foi impactado pelo menor lucro líquido das operações descontinuadas.

Encomendas

As encomendas foram 1% inferiores (3% em dólares americanos) este trimestre em comparação com o mesmo período do ano anterior. O crescimento moderado da Industrial Automation e o ligeiro crescimento da Electrification e da Motion foram superados pelo desempenho mais fraco da Robotics & Discrete Automation. Os efeitos da conversão cambial tiveram um impacto negativo líquido de 1% nas encomendas e as alterações no portfólio tiveram um impacto negativo líquido de 1%.

As encomendas de serviço, que representaram 19% do total de encomendas, foram 2% inferiores (5% em dólares dos EUA) em comparação com o mesmo período do ano anterior. As grandes encomendas representam 5% das encomendas, uma queda de 1% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O backlog de encomendas aumentou 3% (3% inferior em dólares americanos).

Faturação

A faturação foi estável (3% inferior em dólares americanos). A Motion e a Electrification aumentaram a faturação, no entanto, a faturação foi inferior na Industrial Automation e na Robotics & Discrete Automation. A reavaliação de um projeto em especifico na Industrial Automation impactou a faturação total em 1%. As alterações das taxas de câmbio resultaram num impacto negativo da conversão na faturação reportada de 2% e as mudanças no portfólio também tiveram um impacto negativo de 1%.

A faturação de serviços aumentou em 5% (3% em dólares americanos). Os serviços representaram 19% da faturação total.

O índice Book-to-bill para o trimestre foi de 0,97x, ao mesmo nível do ano anterior.

Num contexto desfavorável em alguns mercados finais, a ABB espera um ligeiro crescimento da faturação anual numa base comparável em 2019, suportada pela sua carteira de encomendas.

EBITA operacional

O EBITA operacional de 806 milhões de dólares foi 1% inferior em dólares americanos (constante em moedas locais). A margem de EBITA operacional de 11,7% expandiu 20 pontos base ano-a-ano.

A reavaliação de um projeto da Industrial Automation reduziu a margem de EBITA operacional do Grupo em aproximadamente 90 pontos base este trimestre.

A margem foi impactada em aproximadamente 70 pontos base pelo reconhecimento de custos de transição. Os custos de transição são os serviços prestados pelo Grupo à Power Grids que não se qualificam para serem reportados como operações descontinuadas e que o Grupo espera sejam predominantemente transferidos para a Power Grids ou eliminados com o fecho da transação, que é esperado na primeira metade de 2020.  Os custos de transição de 52 milhões de dólares no resultado de EBITA operacional, corporativo e outros, 19 milhões de dólares a menos que no terceiro trimestre de 2018.

Também registado no resultado de EBITA operacional corporativo e outros, há uma cobrança em atividades não essenciais que tive um impacto de aproximadamente 30 pontos base na margem EBITA operacional do Grupo.

A ABB espera que as margens operacionais anuais do EBITA melhorem em 2019, com a ajuda do desempenho da GEIS, a eliminação contínua dos custos de transição, melhorias não essenciais e o programa de simplificação da ABB.

Lucro líquido, lucro líquido e operacional por ação

O lucro líquido das operações contínuas foi de 422 milhões de dólares, 1% inferior em relação ao ano anterior.

As operações descontinuadas realizaram um lucro líquido de 97 milhões de dólares, pesando aproximadamente 80 milhões de dólares em reavaliações de projetos antes de impostos de determinados grandes projetos no backlog da Power Grids. A ABB antecipa uma melhoria significativa no desempenho das suas operações descontinuadas a partir do quarto trimestre de 2019.

O lucro líquido do Grupo atribuível à ABB foi de 515 milhões, impactado pelo menor lucro líquido de operações descontinuadas. O lucro líquido por ação foi de 0,24 dólares, uma redução de 15% em relação ao ano anterior. O lucro operacional por ação de 0,33 dólares caiu 7% em comparação com o ano anterior.

Cash Flow das atividades operacionais

O Cash Flow das atividades operacionais foi de 670 milhões de dólares em comparação com os 565 milhões de dólares no terceiro trimestre de 2018. Em comparação ao mesmo período do ano anterior, o Cash Flow das atividades operacionais em operações contínuas diminuiu de 625 para 611 milhões de dólares, enquanto o Cash Flow de operações descontinuadas melhorou de -60 para 59 milhões de dólares.

Em relação ao ano anterior, o Cash Flow das atividades operacionais contínuas reflete maiores pagamentos de reestruturação, parcialmente mitigados por um momento mais favorável do pagamento de impostos e pela evolução do working capital em comparação com o mesmo período do ano passado. O Net working capital líquido como percentagem da faturação foi de 12,8%.

A ABB espera uma entrega de caixa sólida para o ano inteiro, nas atividades operacionais contínuas excluindo as saídas para o programa de simplificação e atividades de transição e os impactos associados dos impostos.

Atualização da transformação

A transformação da ABB numa organização mais simples, ágil e focada no cliente está bem encaminhada. Um dos principais objetivos do sistema operacional ABB (ABB-OS) este ano foi redefinir a forma como a ABB está organizada. A realocação dos funcionários do Grupo das várias funções e países para os negócios foi definida na íntegra a 1 de outubro de 2019. Espera-se que o desmantelamento da estrutura regional do Grupo esteja praticamente concluído até o final do ano.

Com a implementação do programa de simplificação, a ABB espera uma redução total dos custos operacionais anuais de 500 milhões de dólares em todo o Grupo. Espera atingir a projeção de 150 a 200 milhões de dólares planeada para 2019 e a projeção completa planeada para 2021.

Continuam os trabalhos para a transição da Power Grids. A maioria dos funcionários do Grupo em funções ou países que apoiarão a futura organização está em processo de transferência. A ABB espera que a Power Grids opere autonomamente dentro da ABB a partir de 1º de janeiro de 2020. A ABB espera fechar a transação no primeiro semestre de 2020.

ABB (ABBN: SIX Swiss Ex) é um líder em tecnologia que está a impulsionar a transformação digital das indústrias. Com uma história de inovação que abrange mais de 130 anos e quatro negócios globais orientados para o cliente: Electrification, Industrial Automation, Motion, e Robotics & Discrete Automation, apoiados pela sua plataforma digital comum ABB Ability™. O negócio Power Grids da ABB, líder de mercado será alienado à Hitachi em 2020. A ABB opera em mais de 100 países com cerca de 147.000 empregados.

Links

Contacte-nos

Transferências

Partilhe este artigo

Facebook LinkedIn Twitter WhatsApp