Crescimento resiliente

  • Encomendas totais + 3% , backlog + 6%
  • Encomendas de base + 6%, superior em todas as divisões e regiões
  • Faturação + 4%, Book-to-bill 1.11x
  • Margem de EBITA Operacional 11,2%, impactada 100 pontos base pela diluição da GEIS e mais 100 pontos base por custos de transição,
  • Lucro líquido 535 milhões de dólares ,-6%
  • Lucro operacional por ação $0.31, + 5%
  • Cash flow das atividades operacionais 256 milhões de dólares ; esperada entrega de caixa sólida para o ano inteiro
  • Anunciado contrato de parceria global de software com a Dassault Systèmes

"Entregámos mais um trimestre de encomendas sólidas e crescimento da faturação, demonstrando a qualidade e resiliência do nosso portfólio, apesar do abrandamento a que assistimos em alguns dos nossos mercados finais, particularmente na produção discreta e no setor automóvel", disse o CFO da ABB Timo Ihamuotila.

"Continuamos firmemente focados no desempenho operacional e na integração da GEIS; excluindo o impacto da GEIS, a nossa margem operacional melhorou. Estamos no caminho certo para a alineação da Power Grids e os nossos quatro novos negócios líderes entraram em vigor a 1 de abril como planeado. "

Principais números



Variação

Em milhões de dólares salvo indicação contrária

T1 2019

T1 2018

US $

Comparativo

Encomendas

7,613

7,555

+1%

+3%

Faturação

6,847

6,441

+6%

+4%

Lucro das operações

590

626

-6%


EBITA operacional

766

752

+2%

+10%4

Em % de faturação operativa

11.2%

11.7%

-0.5pts


Lucro de operações contínuas, líquida de impostos

415

414

+0%


Lucro líquido atribuível à ABB

535

572

-6%


Lucro líquido por ação (USD)

0.25

0.27

-6%3


Lucro operacional por ação (USD)

0.31

0.31

-3%3

+5%3

Cash flow operacional

-256

-518

+51%


A 17 de dezembro de 2018, a ABB anunciou o acordo para venda da sua divisão Power Grids. Consequentemente, os resultados do negócio da Power Grids são apresentados como operações descontinuadas. Os resultados da empresa para todos os períodos foram ajustados em conformidade.

Perspetiva a curto prazo

Os sinais macroeconómicos tendem a ser positivos na Europa e nos Estados Unidos, com um crescimento esperado na China. O mercado global está de volta ao crescimento, embora ainda afetado por incertezas em várias partes do mundo. Espera-se que os preços do petróleo e os efeitos da conversão cambial continuem a influenciar os resultados da empresa.

1º timestre 2019 Resultados do Grupo

Encomendas

As encomendas totais foram cerca de 3 por cento inferiores (1 por cento em dólares americanos), lideradas pelo crescimento nas divisões Electrification Products e Robotics and Motion. As encomendas foram suportadas pelo impulso positivo das encomendas de base. As encomendas de base de terceiros foram 6 por cento superiores (8 por cento em dólares americanos); aumento em todas as divisões e regiões durante o trimestre. Decréscimo de grandes encomendas em comparação com o mesmo período do ano anterior, representaram 3 por cento do total de encomendas, inferior em cerca de 10 por cento. O backlog de encomendas foi 6 por cento superior (2 por cento em dólares americanos) em comparação com um ano atrás, terminando o trimestre em 13.9 mil milhões.

As encomendas de serviço aumentaram 6 por cento (6 por cento em dólares americanos). As encomendas de serviço representam 20% do total de encomendas, o que representa um aumento de 19% em relação ao ano anterior.

Mudanças no portfólio de negócios, incluindo impactos da aquisição da GE Industrial Solutions (“GEIS”) e do estabelecimento da Linxon Joint Venture resultaram num impacto líquido positivo de 4% sobre as encomendas totais. Efeitos de conversão cambial tiveram um impacto negativo líquido de 6 por cento sobre as encomendas totais.

Faturação

A faturação melhorou em 4 por cento (6 por cento em dólares americanos) com forte crescimento na Electrification Products e Robotics and Motion, e um desempenho constante na Industrial Automation.

A faturação de serviço foi superior 6 por cento (6 por cento em dólares americanos). O serviço representou 19% da faturação total, ao mesmo nível que no mesmo período do ano anterior.

Mudanças no portfólio de negócios, incluindo impactos da aquisição da GE Industrial Solutions (“GEIS”) e do estabelecimento da Linxon Joint Venture contribuíram com um resultado líquido de 9% para a faturação reportada. Mudanças nas taxas de câmbio resultaram num impacto negativo na conversão sobre a faturação reportada de 7 por cento.

O índice Book-to-bill para o trimestre foi de 1,11x em comparação com 1,17x no mesmo período do ano anterior.

EBITA operacional

O EBITA operacional de 766 milhões de dólares foi superior até 2 por cento em dólares norte-americanos (10 por cento em moedas locais) em comparação com o mesmo período do ano anterior. A margem de EBITA operacional situou-se em 11,2 por cento e foram 50 pontos base inferior ano-a-ano.

No primeiro trimestre, o impacto da integração da GEIS na margem de EBITA operacional foi de aproximadamente 100 pontos base, enquanto os custos de transição impactaram mais de 100 pontos base. Os custos de transição são os serviços prestados pelo Grupo à Power Grids que não se qualificam para serem reportados como operações descontinuadas e que o Grupo espera sejam predominantemente transferidos para a Power Grids ou eliminados com o fecho da transação, o que é esperado na primeira metade de 2020. Os custos de transição de 67 milhões de dólares foram reconhecidos no resultado de EBITA operacional, corporativo e outros, 9 milhões de dólares inferiores em relação ao ano anterior.

Lucro líquido, lucro líquido e operacional por ação

O lucro líquido das operações contínuas foi de 415 milhões de dólares. As operações descontinuadas realizaram 149 milhões de lucro líquidos. O lucro líquido do Grupo atribuível à ABB foi de 535 milhões de dólares, 6% inferior em relação ao ano anterior. O lucro líquido por ação foi de $0.25%, 6% inferior em relação ao ano anterior. O lucro operacional por ação de $0.31 foi 3 por cento menor e até 5 por cento em moeda constante.

Cash Flow das atividades operacionais

Cash Flow das atividades operacionais de -256 milhões de dólares em comparação com os -518 milhões de dólares do primeiro trimestre de 2018. Em comparação com o trimestre do ano anterior, o Cash Flow das atividades operacionais em operações contínuas reforçado para -97 milhões de -365 milhões de dólares, enquanto o Cash Flow de operações descontinuadas de -159 milhões foi constante versus o mesmo período do ano anterior.

No primeiro trimestre de 2019, o Cash Flow de atividades operacionais contínuas beneficiou do pagamento atrasado dos prémios de funcionários e uma forte cobrança de pagamento de projetos em andamento, que compensaram o alto valore de stocks. A ABB espera uma entrega de caixa sólida para o ano inteiro, ponderada para o segundo semestre.

O Net working capital como uma percentagem da faturação foi 11,2 por cento, de 12,9 por cento no período do ano anterior.

Atualização da transformação

Vários dos marcos de transformação da ABB foram alcançados durante o primeiro trimestre. Uma equipa de gestão experiente está agora a liderar o processo de alienação da Power Grids e a separação do negócio está no caminho certo. A implementação do novo modelo operacional da ABB, a ABB-OS™, está em andamento. Uma forte equipa de projeto para supervisionar o programa de simplificação para a ABB-OS™ foi estabelecida no início do primeiro trimestre. Durante o trimestre, foi estabelecida uma nova direção orientada para os negócios que irá presidir os esforços da Global Business Services da ABB e a organização de vendas foi transferida para os negócios. A partir de 1 de abril de 2019, os quatro principais negócios da ABB tornaram-se operacionais.

A ABB espera um total de 500 milhões de reduções de custo de taxa de execução anual em todo o grupo com uma taxa de execução de 150-200 milhões de dólares direcionada durante 2019 e uma taxa de execução completa direcionada durante 2021. As poupanças da ABB-OS™ em 2019 serão alcançadas principalmente através da otimização das funções do Grupo e das organizações dos países à medida que se deslocam para os negócios e o estabelecimento de uma nova estrutura Corporativa mais simples.

Perspetivas de curto e longo prazo

Os sinais macroeconómicos têm uma tendência positiva na Europa e nos Estados Unidos, com um crescimento esperado na China. O mercado global em geral voltou a crescer, embora ainda seja afetado por incertezas em diferentes partes do mundo. Os preços do petróleo e as taxas de câmbio irão provavelmente continuar a influenciar os resultados da empresa.

Os quatro novos negócios da ABB são nº #1 global ou #2 em atrativos mercados com fortes perspetivas de crescimento. Perspetiva-se um crescimento a longo prazo, 3,5-4 por cento por ano, no mercado acessível da empresa para os seus novos negócios Electrification, Industrial Automation, Motion, e Robotics and Discrete Automation.

ABB (abbn: six swiss ex) é um líder tecnológico pioneiro com uma oferta detalhada para as indústrias digitais. Com uma história de inovação que abrange mais de 130 anos, a ABB é hoje líder em indústrias digitais com quatro negócios, líderes globais, orientados para o cliente: Electrification, Industrial Automation, Motion, e Robotics & Discrete Automation, apoiados pela sua plataforma digital comum ABB Ability™. O negócio Power Grids da ABB, líder de mercado será alienado à Hitachi em 2020. A ABB opera em mais de 100 países com cerca de 147.000 empregados.

Partilhe este artigo

Facebook LinkedIn Twitter WhatsApp